Oficina Online | Devolução de Acervos: Uma Inversão de Perspectivas, com Vincent Carelli

Data: 16/11/2020

Horário de Início: 09:00

Duração: 2 (duas) horas. Sua inscrição somente será efetivada se realizada por meio desta plataforma.

Vagas gratuitas e limitadas!

Sinopse: O acervo audiovisual do Vídeo nas Aldeias vem sendo constituído nos últimos 34 anos à partir de um pacto de cumplicidade e colaboração com as comunidades retratadas. A devolução imediata das imagens sempre foi o principio motor da apropriação do vídeo pelos índios para a produção das suas próprias imagens e narrativas. E para sermos coerentes com este pacto tácito, sempre consideramos o Vídeo nas Aldeias um “fiel depositário” destes registros que já são, e o serão cada vez mais, preciosidades históricas para os próprios povos indígenas. O recente projeto Yãkwá – Imagem e Memória, em que as mais de trezentas horas de registros do ritual Enawene da década de 1990 são devolvidos a eles para resgatarem os cantos perdidos com a morte prematura dos velhos, é um exemplo disto.

Sobre: Vincent Carelli é indigenista e cineasta, criou em 1986 o Vídeo nas Aldeias, um projeto a serviço dos projetos políticos e culturais dos índios, e realizou uma série de documentários sobre os impactos deste trabalho. “A Arca dos Zo’é”, seu filme mais conhecido, recebeu vários prêmios, entre eles nos Festivais de Tóquio e do Cinéma du Réel em Paris, e a trilogia “O Espírito da TV”, “A Arca dos Zo’é” e “Eu já fui seu Irmão” foi exibida por uma série de televisões públicas pelo mundo e no MOMA em NY. Em 1999, Carelli recebe o Prêmio UNESCO pelo respeito à diversidade cultural e pela busca de relações de paz inter étnicas e em 2000, e realiza a série “Índios no Brasil” para a TV Escola do Ministério da Educação. Em 2009, a ONG Vídeo nas Aldeias, uma escola de cinema para índios, recebe a “Ordem do Mérito Cultural” do governo brasileiro e o seu filme “Corumbiara”, sobre o massacre de índios isolados em Rondônia, é o grande vencedor do Festival de Gramado, e de vários festivais nacionais e internacionais. Martírio (2016) é o segundo de uma trilogia, traça o percurso histórico do genocídio Guarani Kaiowa no Mato Grosso do Sul. Em 2017, Carelli recebe o Prêmio Prince Claus nos Países Baixos pela sua militância pelo cinema indígena.

Clique Aqui para se inscrever

fica oficina gratuita


Oficina Online | Direção para Documentário, com Camila de Moraes

Data: de 17 a 19/11/2020

Horário de Início: 14:00

Duração: 3 (três) horas no total. Sua inscrição somente será efetivada se realizada por meio desta plataforma.

Vagas gratuitas e limitadas!

Sinopse: A oficina abordará as técnicas de direção para documentários e modelos para construção de estruturas narrativas utilizando-se das diversas possibilidades que a tecnologia e o mundo digital trouxeram para o cinema. Diante da maciça produção de conteúdo em vídeo, o modelo de direção mudou, novas linguagens surgiram e o documentário se viu no centro das atenções nas plataformas de streaming. A oficina busca capacitar novos realizadores para a duração de documentários.

Sobre: Camila de Moraes é jornalista e graduanda no curso B.I. de Artes com concentração em audiovisual pela Universidade Federal da Bahia. Na área do cinema dirigiu o documentário de longa-metragem “O Caso do Homem Errado” que aborda a questão do genocídio da juventude negra no Brasil. A cineasta se tornou a segunda mulher negra a entrar em circuito comercial com um longa-metragem após 34 anos de silenciamento no Brasil. A primeira mulher negra foi Adélia Sampaio, em 1984, com o longa-metragem de ficção “Amor Maldito”. Aclamado, o longa esteve na seleta lista de pré-selecionados pelo Ministério da Cultura para representar o Brasil e concorrer ao prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar 2019. Atualmente desenvolve o projeto de uma série de ficção chamada “Nós Somos Pares” que aborda a vida de seis mulheres negras e suas relações de amizade e amores. Camila de Moraes também dirigiu o curta-metragem “A Escrita do Seu Corpo”, que trata sobre a questão de identidade racial e de gênero por meio da poesia. Produziu e co-roterizou o documentário “Mãe de Gay” vencedor de dois Galgos de Ouro no Festival de Gramado. Fez produção do curta- metragem de ficção “Marcelina – com os olhos que a terra há de comer”, de Alison Almeida, e assistência de produção do documentário “Poesia Azeviche”, de Ailton Pinheiro. Camila de Moraes é gaúcha, mas reside em Salvador há dez anos.

Clique Aqui para se Inscrever

fica oficina gratuita direção para documentario


Oficina Online | Sustentabilidade no Cinema, com Patrícia Mazoni

Data: 19/11/2020

Horário de Início: 10:00

Duração: 2 (duas) horas. Sua inscrição somente será efetivada se realizada por meio desta plataforma.

Vagas gratuitas e limitadas!

Sinopse: A oficina visa abordar conteúdos teórico-práticos sobre como o macro tema da sustentabilidade pode ser pensado e implementado, de forma transversal, tanto na produção de cinema como em seus roteiros de filmes. Será usada como referência conceitual a Agenda 2030 da ONU dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, possibilitando aos participantes, a partir de um nivelamento conceitual, pensar e definir estratégias de implementação em cada realidade de produção. Os participantes terão a oportunidade de construir uma visão clara e ampla sobre sustentabilidade, bem como fazerem um exercício prático sobre o que é possível ser implementado em suas jornadas profissionais.

Sobre: Patrícia Mazoni é especialista em Educação e Gestão Ambiental pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável da UnB, atua há 20 anos com elaboração e coordenação de projetos socioambientais no terceiro setor, setor privado e poder público. É membro titular do Funam – Fundo Único Meio Ambiente da Secretaria de Meio Ambiente do Distrito Federal F representando o terceiro setor, contribuindo com a implementação de políticas públicas ambientais na Capital do País. Consultora de Sustentabilidade da Copa do Mundo Fifa 2014 no Estado da Bahia, elaborou e implementou o Plano de Sustentabilidade e Legados Sociais da SECOPA BA. Atua como consultora do Sebrae DF, BA e Nacional nas área sustentabilidade, com a elaboração e implementação de Planos de Sustentabilidade e Legados Sociais para diversos eventos culturais realizados no DF, Bahia e São Paulo, como: Brasília Capital Moto Week, Na Praia, CoMA, Feira do Empreendedor, VII Conferência dos Advogados do Distrito Federal (OAB-DF), Mercado Mundi, IV Bienal Brasil do Livro e da Leitura, Brasil Guitarras, Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Aloha Spirit, Natal Monumental Brasília, Réveillon Brasília 2019/20, Porão do Rock, Festival Universo Paralelo, e outros.

Clique Aqui para se Inscrever

oficina gratuita sustentabilidade no cinema


Oficina Online | Desenvolvimento e Estruturação de Projetos, com Marcus Ligocki

Data: 20/11/2020

Horário de Início: 14:00

Duração: 2 (duas) horas. Sua inscrição somente será efetivada se realizada por meio desta plataforma. 

Vagas gratuitas e limitadas!

Sinopse: Oficina de produção de audiovisual, com foco em viabilização e estruturação de projetos. Passando por temas como captação de recursos, parcerias de co-produção, distribuição e noções de produção executiva.

Sobre: Formado em Comunicação Social pela Universidade de Brasília, com especialização em Film & Television Business pela Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro, Ligocki é o sócio fundador da produtora brasiliense Ligocki Entretenimento, produtor de sete longas metragens dirigidos por diretores como Vladimir Carvalho, Renato Barbieri e Iberê Carvalho, e diretor do longa metragem de ficção “Uma Loucura de Mulher”. Em sua atuação para o desenvolvimento do setor audiovisual brasileiro, coordenou a criação do curso de graduação em Cinema e Mídias Digitais do IESB, em Brasília, foi consultor Sênior das duas edições do projeto “Brasília Cinematográfica” do Ministério do Turismo, conselheiro da “incubadora de empresas culturais” do CDT – UnB, membro do Comitê Gestor do FSA – Fundo Setorial do Audiovisual e consultor de mercado da diretoria da CONNE  – Conexão Audiovisual Centro-Oeste, Norte e Nordeste.  Foi diretor da APROCINE – Associação dos Produtores e Realizadores de Longas Metragens do Distrito Federal, representante regional da BRAVI – Associação Brasileira de Produtores Independentes de TV e curador do 52 Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

Clique Aqui para se Inscrever